Sabemos que a interiorização do diagnóstico de uma doença crónica é desenvolvida por fases (choque, rejeição, negação aceitação), sendo por isso importante a intervenção de técnicos da saúde, a fim de prestarem apoio médico, emocional e social.

O tratamento disponibilizado é efectivo no controlo dos sintomas físicos, no entanto não é suficiente para todos os factores intervenientes neste processo. É importante uma adequação plena quer a nível social, quer a nível psicológico, de forma a garantir uma melhor qualidade de vida e uma maior autonomia. Caso contrário, esta adequação dará lugar a um desajuste na vida da pessoa.

A falta/ausência de um suporte social e emocional origina dificuldades no desenvolvimento de competências necessárias para o dia-a-dia. Neste sentido a pessoa não se sentirá com capacidades de resistência de manusear as suas reacções emocionais e preocupações.        

A psicologia é uma ciência que visa o aconselhamento, a psicoterapia e a interpretação de informação, por vezes dolorosa e complicada para os sujeitos. Portanto, é de salientar o papel do psicólogo como primordial na normalização das suas vidas, na ajuda fornecida para encontrar um equilíbrio entre os factores de risco e os factores de protecção e também na interacção com o meio circundante.

O que é o GAP? 

É um gabinete de psicologia que tem como intuito assegurar o ajustamento psicológico e social da pessoa, através do tratamento preventivo da saúde mental, da psicoterapia e do aconselhamento educacional.