Face à situação em estado de alerta que actualmente vivemos em Portugal, devido à pandemia COVID-19, tem sido manifestado à APH pelas pessoas com hemofilia e outras coagulopatias congénitas, a sua preocupação quanto à existência de stocks para os meses que se avizinham, a fim que tenham tratamento no domicílio para profilaxia.

Recomendou a Direcção Geral de Saúde e a Ministra da Saúde que as pessoas se abstenham de se deslocar aos Centros Hospitalares, a não ser em caso de extrema necessidade e que estejam em casa, de forma a mitigar a possibilidade de contágio do COVID-19 no quadro da actual pandemia.

Desta forma, a APH solicitou junto dos Centros Hospitalares que possuem tratamento para a hemofilia e outras Coagulopatias Congénitas que sejam tomadas, em tempo, as medidas necessárias, para que, às pessoas com hemofilia, possa ser disponibilizado tratamento para profilaxia no domicilio para 3 meses, de forma a evitar deslocações desnecessárias ao Hospital e libertar os profissionais de saúde de mais um contacto desnecessário no actual contexto.

Acreditamos que, face à actual situação pandémica e às orientações para um prazo mais alargado na dispensa de medicamentos essenciais para doentes  crónicos,  como a hemofilia, algumas delas com co-morbilidades que aumentam o risco de mortalidade face ao contágio, esta solução de entrega de profilaxia às pessoas com hemofilia e outras coagulopatias congénitas, para um maior prazo, se torna essencial.

Lembramos que em nenhuma ocasião estes pacientes poderão deixar de ter acesso à profilaxia que actualmente fazem, sob pena de, interrompida, ter consequências catastróficas em termos de hemorragias espontâneas e deslocações mais frequentes aos hospitais.

Sabemos que vivemos uma situação de extrema dificuldade para o país e para o nosso sistema de saúde, face à actual pandemia, mas cremos que esta medida constituirá uma eficaz medida mitigadora para evitar deslocações ao hospital por parte das pessoas com hemofilia e outros distúrbios hemorrágicos.

Pedimos a todas pessoas com hemofilia e outras coagulopatias congénitas que igualmente questionem a equipa médica que os segue sobre esta necessidade e sobre a existência de um plano de contingência para atendimento a estes pacientes.

A APH continua a monitorizar a situação e está disponível para qualquer contacto por parte dos nossos associados para esclarecimento de dúvidas.

Fiquem em casa!